quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

EXTERNALIDADES



As actividades económicas provocam vários impactos a diversos níveis: na sociedade, na natureza, nas relações humanas, etc.

Alguns desses impactos são secundários em relação ao objectivo principal que motiva a actividade, são difíceis de avaliar (medir, contabilizar) e só são evidenciáveis a longo prazo – é o que se chama EXTERNALIDADES.

Uma fábrica que se instala numa pequena comunidade para produzir um dado bem provoca, por exemplo, a poluição do ar, a contaminação das linhas de água, o abandono das actividades rurais, a emancipação das mulheres, a melhoria do bem-estar material das pessoas.

Alguns desses efeitos são positivos e chamam-se externalidades positivas, outros são negativos e chamam-se externalidades negativas.

Ao assistires ao filme (TERRA 2007 - NG) presta atenção a essas externalidades – o impacto da indústria, do uso do automóvel, do consumo exagerado, da sobre-exploração dos recursos…, das emissões de gases à desflorestação, das espécies em perigo à desertificação…

Será que temos que mudar o paradigma em que assenta a nossa civilização? Os padrões de produção e de consumo? Será que o planeta aguenta as condições em que a economia funciona? Não estaremos a fazer mal as nossas contas quando deixamos de lado os impactos referidos? Não deveríamos contabilizá-los? Será irreversível a situação para a qual caminhamos?